Arquivo da categoria: Tadim é assim

A Campanha Já Começou

A campanha eleitoral-unipessoal já arrancou em Braga.
Começa cedo este ano.

O modelo é simples: os presidentes das juntas de freguesia que quiserem financiar – com fundos das Juntas – um “suplemento” de quatro páginas no Correio do Minho têm direito a louvar tudo o que conseguiram fazer durante o mandato em curso (e com direito a destaque na capa do jornal).
Como quem paga manda, não há direito a contraditório nem a personagens secundários: a freguesia é o presidente da junta e o presidente da junta é a freguesia.

O suplemento dá direito a nove (9) fotos!
O rei-sol (vulgo presidente da junta) tem direito a cinco (5).
O modelo-de-negócio-propaganda foi já testado em anos anteriores (anos de eleições, saliente-se) e dá resultados garantidos, limpinhos, a menos que o presidente/candidato tenha atingido o limite legal de recandidaturas. Nesse caso, o investimento da junta trará benefício a um  candidato delegado.

Como bónus, o jornal do dia é abundantemente distribuído – às centenas – pela freguesia. De borla, para ter muita “leitura”.

Começamos este ano por Arentim Cunha.

Qual a próxima junta a investir uma milhena de euros em promoção unipessoal?

“Tomar as pessoas por lorpas”*

tub-100mil-passageiros

Está de parabéns o Gabinete de Propaganda Municipal. Está de parabéns e o caso não é para menos. Parabéns, portanto.
Mas estar de parabéns não dá a ninguém o direito de tomar os outros como néscios ou lorpas, como diz o sábio povo.

Sucede que, num contexto que a empresa de todos os bracarenses TUB não quis ainda explicar (e isso é preciso??), os TUB asseguram terem transportado (em um dia único de 2016) um total de 50.000 passageiros. Uma cifra admirável se considerada a condição assumidamente estafada da maior parte da frota da empresa. Um autocarro com 25 anos não é se não isso e a compra de dezenas de autocarros usados não denota se não outra coisa.
Devem, portanto, os bracarenses acreditar que, dos anunciados 50.000/passageiros em um dia único em 2016, a empresa municipal vai atingir os 100.000?

Do pouco que conheço de Marte, será a primeira vez em que, uma empresa de transportes com recursos finitos, conseguirá multiplicar por dois o seu tráfego de um ano para o outro.
É notável, mesmo inaudito. Ou isto ou vêm aí as eleições e vai valer tudo…

Novamente os meus parabéns, TUB!

ps: quando vai merecer resposta a minha correspondência, Firmino Marques?

(in CM 19FEV2017)

* frase popular

Petição à Junta de Freguesia de Tadim

entrega_documentosConsiderando que até à data de hoje, não consegui perceber porque motivo a minha petição à, entre outras entidades públicas, Junta de Freguesia de Tadim se encontra ainda sem resposta, assumo que a mesma mensagem a que, até hoje, apenas a Escola EB 2-3 de Tadim deu resposta por escrito, se terá perdido no ciberespaço.
Decidi, por isso, imprimir o conteúdo deste post e entregá-lo em mão.
Acima publico a prova de entrega.
Aguardo uma nota pública da JF Tadim sobre este assunto que, causando diariamente transtorno a residentes e à população escolar da freguesia, merecerá de Manuel Faria a melhor atenção.

Árvores num mapa? – o caso de Nova York

cadastro_arboreo
Nota prévia: Tadim perdeu, sem aviso, consulta ou nenhum tipo de esclarecimento, três árvores de médio e grande porte no decurso de 2016, uma delas na intersecção da Rua General Humberto Delgado com a Rua 25 de Abril [Casa do Povo] e duas no Largo da Igreja.

Não nego: tenho uma certa inveja de cidades onde as árvores são e estão criteriosa e geograficamente cadastradas – quantas são, quais são, onde estão!

Verdade é que uma população que não “conhece” e se relaciona com o território que habita, verdadeiramente não o conhece e, não o conhecendo, não o administra de forma eficaz.
E penso que nós, os de Braga, nos encontramos neste patamar: conhecemos mal o território que habitamos, não temos para ele políticas concretas de médio e longo prazo.

No caso concreto da relação de Braga-cidade com o seu património vegetal, parece-me que vivemos num permanente caos de “violência doméstica”.

Braga-cidade detesta árvores. Imagino porque estas não dão lucro, tanto lucro como, por exemplo, os painéis de publicidade, as plaquinhas de sinalização das lojinhas dos amiguinhos do status quo.

Quando se começará, finalmente, um cadastramento da mancha verde da cidade? Três anos de “tempo novo” não era já o tempo suficiente para, pelo menos, se ter dado o primeiro passo?

À vossa consideração.

O Crente


A BRAGA dos crentes e fiéis devotos?

 
O brácaro médio tem algum sentido de humor; já por isso, o brácaro médio acredita em tudo o que lhe dão a ler.
Acredita em todos os rumores e diz-que-disse.
O brácaro médio jura a pés juntos que é verdade.
 
Num dia (no Correio do Minho de 02JAN2016), as fontes oficiais do costume dizem que em 2016 os TUB transportaram 11 milhões de passageiros – uma média diária de 30.136 pax.
Num outro dia (no blog TUB a 17NOV2016), dá-se conta que a 27 OUT2016 os TUB transportaram a quantidade record de 50.000 passageiros, ou seja, + 19 mil passageiros/ +38% que a média diária de todo o ano.
 
Perante estes dois valores vindos da mesma fonte, chego facilmente a duas dúvidas distintas:
 
– é possível a uma empresa de transporte urbano/suburbano, em uma data única – uma quinta-feira- , transportar + 38% da sua média anual?
[média esta que inclui sábados e domingos, dias de muito menor procura mercê a ausência de estudantes e folga laboral]
 
– Considerando que os mesmo TUB pretendem, dentro de 9 anos, transportar não os actuais 11 mas sim 25 milhões de passageiros/ano, e considerando que até lá praticamente TODA a actual frota de ± 100 veículos estará defunta, como planeia a empresa municipal vir a ter autocarros?
 
– Posta a confessada obsolescência de uma parte razoável da frota (que, como é público, em certos turnos não desligam o motor diesel devido às fugas de ar), porque só investiu 10% do suposto plano de investimentos para 2016?
(segundo notícias de há dias)
 
Vá lá… decidam-se sobre a forma como nos querem continuar a iludir…!

A Estrada

estrada_principal_tadim

Está nesta condição a principal estrada da freguesia de Tadim.
Está assim há vários meses.

Se, durante um certo tempo, era compreensível que a mesma não estivesse nas melhores condições devido às obras de instalação de gás natural na freguesia, chega um outro tempo em que se começa a pensar que em Tadim… não está ninguém ao volante.

Senhor Presidente Manuel Faria, seja-me franco:
– Não utiliza este troço da estrada que passa à sua porta todos os dias?
– Não o aborrece ter que se desviar deste buraco todos os dias?
– Está à espera que eu o vá tapar?
– os contactos da empresa instaladora estão aqui.

Bom seria, senhor presidente, começar um ano de eleições com uma grande obra!
Obrigado.

A Nova Normalidade?

A coisa pública em Braga, sejamos justos, não é tratada com a transparência que a democracia* exige há décadas.

Desde névoas a neblinas e mantos de esquecimento, tudo justifica que nada se justifique, nomeadamente o custo das coisas públicas. Nomeadamente “investimentos”.

Por estes dias, a Câmara Municipal de Braga entendeu “investir” o dinheiro dos bracarenses num actividade lúdica com cidadãos séniores – o chamado “Arraial Minhoto”, num espaço Malafaio próprio para o efeito.

Mas, pasme-se ou não, em nenhum dos jornais diários da região publicados em Braga se refere quanto custou a actividade.
Foi caro?
Foi barato?
Foi mais-ou-menos?
Mais-ou-menos quanto?

É com este tipo de “transparência” que Ricardo Rio quer ser diferente de Mesquita Machado?

* – “governo do povo, para o povo, pelo povo”

Água: precisa-se

tadim_fonte_agua
Numa freguesia de cujo “tanque” existente no centro da freguesia ninguém sabe o custo nem a utilidade, não existe um ponto de água junto do único parque infantil.
Aliás, não há em toda a zona central da freguesia um ponto de água potável.
Há – alegre-nos isso – um novo telefone público escondido numa rua sem saída, junto do ginásio.
É compreensível: quem investe, para já, 345.000 euros numa “sede da junta” não pode ter dinheiro para coisas miudinhas e, essas sim, verdadeiramente úteis ao quotidiano dos fregueses.
É compreensível.

Calar, Consentir

clave_sol

  • Pode um pretenso professor agredir um aluno (mais que um, aliás) para provar perante a turma que ele é quem tem o poder na mão? – Não, não pode.
  • Deve um outro aluno abandonar a escola que primeiramente o acolhera porque anteriormente um mesmo pretenso professor o agrediu e humilhou perante a turma? – Não, não deve.
  • Deve um pretenso professor permanecer intocado porque a alguns encarregados de educação isso parece o melhor a fazer? Não, não deve.

    Aconteceu em Tadim.
    É provável que não vá voltar a acontecer.

Poluição atmosférica à porta da Escola Básica 2,3 de Tadim

escola_tadim

“Ex.mos. Srs,

Presidente da Câmara Municipal de Braga,
Vereador do Pelouro do Ambiente da CM Braga,
Director Geral dos Estabelecimentos Escolares do Norte,
Director da Escola Básica 2,3 de Tadim,
Presidente da Junta de Freguesia de Tadim,
Tive hoje a possibilidade de confirmar no local as queixas que, em surdina, circulavam na freguesia de Tadim há algum tempo: a circulação dos actuais autocarros dos TUB à porta da escola de Tadim causa grande mal-estar na população escolar.
Passo a expor o problema, que merecerá obrigatoriamente por parte de todos os destinatários a mais urgente atenção:
Várias vezes ao dia, três autocarros dos Transportes Urbanos de Braga transportam alunos de e para a escola de Tadim utilizando para esse efeito a “paragem” agora colocada junto da porta frontal da escola, por onde entra e sai toda a população escolar.

O local, defronte de uma zona residencial, é de dimensões exíguas e não permite a permanência de três veículos pesados de transporte de passageiros sem que a via pública seja vedada, dado ali existirem também lugares de estacionamento.

Dada a exiguidade do espaço, porque razão permanecem os autocarros com os motores ligados enquanto os alunos saem ou entram no seu transporte? – facto que ocorre várias vezes ao dia.

Os motores não são desligados por razões operacionais? Quais?
Os veículos, sendo essa a justificação que corre oficiosamente, não tendo capacidade para guardar ar comprimido durante estes minutos, têm – ainda assim – condições de segurança para circular na via pública e transportando crianças?

Qual a justificação para um tal atentado ao bem-estar e saúde estar a ser aplicado à população escolar e residente?

Quem promoveu, e sob que argumentos, a mudança do local de embarque-desembarque da porta secundária para a porta frontal da escola, sendo que esta é visivelmente claustrofóbica?

E agora, num exercício de mera especulação, os educando dos senhores vereadores da CMB, da DREN, da JF Tadim, fossem expostos diariamente a tal disparate ambiental e atentado à saúde, a situação manter-se-ia… durante quantos dias?

Há limites para a paciência.
Das respostas honestas a que estão obrigados darei a respectiva nota pública.”

Email enviado às 18h05 de  06 de Abril de 2016.

Um Gimnodesportivo em cada rua, já!

pavilhao_gimnodesportivo_vilaca_fradelos

“Quanto ao Pavilhão Gimnodesportivo, este não visa apenas servir a população das freguesias de Fradelos e Vilaça, mas também reforçar o investimento em equipamentos que promovam o ecletismo desportivo no nosso Concelho, rematou Rio, acompanhado por Firmino Marques, vice-presidente da Câmara de Braga, e Sameiro Araújo, vereadora do Desporto”.

A minha dúvida é, e considerando que os pavilhões de Tadim e Priscos têm infiltrações de água sem resolução à vista: quem profere estas palavras acredita mesmo no que diz?